O lado certo do errado.
©

i’ll always love you ‘cause we grew up together and you helped make me who i am. i just wanted you to know there will be a piece of you in me always, and i’m grateful for that. whatever someone you become, and wherever you are in the world, i’m sending you love. you’re my friend to the end.

— her (2013)

Ainda é cedo, amor, mal começaste a conhecer a vida já anuncias a hora de partida, sem saber mesmo o rumo que irás tomar, preste atenção, querida, embora eu saiba que estás resolvida, em cada esquina cai um pouco a tua vida, em pouco tempo não serás mais o que és. Ouça-me bem, amor, preste atenção, o mundo é um moinho, vai triturar teus sonhos, tão mesquinho, vai reduzir as ilusões a pó, preste atenção, querida, de cada amor tu herdarás só o cinismo, quando notares estás à beira do abismo, abismo que cavaste com os teus pés.
- Cartola   (via secretaria-da-morte)
E quem é Rubem Alves?”. Um menininho respondeu: “O Rubem Alves é um homem que gosta de ipês-amarelos…”. A resposta do menininho me deu grande felicidade. Ele sabia das coisas. As pessoas são aquilo que elas amam.
- Rubem Alves, ‘Ipês-amarelos’.  (via oxigenio-dapalavra)

tamburina:

Successive Slidings of Pleasure (Alain Robbe-Grillet, 1974)

Olho para trás e vejo aquela menina que queria entender tudo, com medo de que não coubesse tamanha quantidade de informação dentro de si. Coube e ainda cabe. E quanto mais entra, mais sobra espaço para a dúvida. Compreendo hoje que nunca entenderei a morte, os sonhos, a sensação de dejá-vu e as premonições. Nunca entenderei por que temos empatia com uma pessoa e nenhuma com outra. Não entendo como o mar não cansa, nem o sol. Não compreendo a maldade, ainda que a bondade excessiva também me bote medo.
- Martha Medeiros  (via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)

a-musicista:

Campina Grande - Paraíba

276

spiritual-loneliness:

inseminacion







top ↑